Revista Prática Clínica Baseada em Evidências

RPCBE é um periódico científico da saúde voltado a divulgação das melhores práticas clínicas. Para uma abordagem mais abrangente dos problemas investigados, seu corpo editorial é constituído por médicos, odontólogos, fonoaudiólogos, advogados, psicólogos, fisioterapeutas entre outros profissionais. Adota como principal valor, o livre acesso, pois não acretida na informação como produto, mas uma ferramenta vital para estimular a reflexão de profissionais e estudantes. Participe consoco neste projeto para uma ciência compartilhada.

 ISSN: 2318-8979            Indexação: Latindex (América Latina, Espanha e  Portugal)

 Acesso à Revista Prática Clínica  Para livre acesso registre-se na página da Revista

 

Orientações para Publicação

A preparação do manuscrito para submissão à Revista Prática Clínica Baseada em Evidências (RPCBE) segue as recomendações do International Committee of Medical Journal Editors (Normas de Vancouver). Com a intenção de publicar conteúdos que sustentem de modo científico as intervenções clínicas, dá preferência aos delineamentos de pesquisa que geram maior nível de evidências (estudos experimentais,  descritivos e revisões sistemáticas) em contraposição aos estudo de caso clínico, argumento de autoridade e pesquisa bibliográfica sem validação.

Sobre as Normas de Redação do Manuscrito

São requisitos gerais para a redação do manuscrito (Quadro 02).

Quadro 02 - Definição das craracterísticas das fontes para cada seção do artigo.

 

Fonte

Tamanho

Caixa/Destaque

Uso

Títulos

Arial

11

Alta/Negrito

Título do artigo

Subtítulos

Arial

11

Baixa/Negrito

Títulos de capítulos

Texto

Arial

11

Baixa/normal

Corpo do artigo

Legendas

Arial

10

Baixa/Normal

Ilustrações, tabelas

 

  • Espaço - 1,5 para o corpo do texto (simples para o 'Resumo', 'Abstract' e legenda de figuras)
  • Parágrafo - usar a tecla Tab (01 Tabulação) (não usar barra de espaços para definir parágrafos)
  • Tabelas - devem ser numeradas de modo consecutivo na ordem da primeira apresentação no texto com título próprio para cada uma (curto e autoexplicativo).
  • Ilustrações - no máximo de dez (10) as figuras (gráficos, ilustrações) devem ser incluídas no corpo do texto (use a função 'inserir' do Word, evite copiar e colar), numeradas consecutivamente de acordo com a ordem em que foram citadas no texto. Devem apresentar boa resolução (300 dpi). Se uma figura já foi publicada anteriormente, deve ser mencionada a fonte original (documentos de domínio público). 

Sobre a Estrutura do Manuscrito

A estrutura do artigo deve refletir o processo de descoberta científica, dependendo do desenho do estudo. Para cada delineamento existe uma estrutura específica conforme Quadro 02.

Quadro 02 – Descrição da estrutura dos delineamentos de  pesquisa.

 

Estudos Explicativo

Estudo Descritivo

Estudo Revisão

Revisão Sistemática

 

 

 

Estrutura do Estudo

 

Introdução

Introdução

Introdução

Introdução

Proposição

Proposição

Objetivo

Proposição

Métodos

Métodos

Revisão

Métodos

Resultados

Resultados

Validação externa

Metanálise

Discussão

Discussão

Validação interna

Discussão

Conclusão

Conclusão

Discussão

Conclusão

 

Os estudos explicativos podem ser do tipo: in vitro, em animais ou ensaios clínicos (em seres humanos). Estudos descritivos, do tipo levantamentos sócio-epidemiológicos. Os estudos de revisão, do tipo: revisão não-sistemática (com validação interna e externa). Os estudos de revisão sistemática exigem homogeneidade entre os estudos e metanálise. Com o objetivo de buscar um nível de qualidade científica superior, a RPCBE limita a publicação de estudos de caso clínico (salvo de casos raros e técnicas inovadoras), argumentos de autoridade e pesquisa bibliográfica sem validação das fontes.

Sobre as Seções do Manuscrito

O texto pode ser digitado em português, espanhol ou inglês, com as características abaixo descritas:

  • Título do artigo - deve ser conciso, porém claro na descrição na natureza do estudo. Recomenda-se incluir no 'Título' informações sobre o tipo de delineamento adotado (se ensaio clínico, revisão sistemática, estudo de prevalência), estas recomendações irão tornar a recuperação do seu artigo mais eficiente quando da busca em bases de dados.
  • Apresentação dos autores – quatro informações devem compor a identificação dos autores: 1) o mais alto grau acadêmico, 2) o nome do departamento e/ou instituição onde o trabalho foi realizado, 3) o endereço de contato (e–mail ou telefone) e 4) a identificação da responsabilidade de cada autor sobre a publicação (p. ex. revisor, estatístico, clínico, redator).
  • Resumo - elaborado em parágrafo único deve conter a proposição/objetivo do trabalho, a descrição dos materiais e métodos (seleção da amostra, instrumentos, técnicas de coleta de dados e estatísticas, estratégia de leventamento de fontes), informar os principais achados (dimensão dos efeitos específicos e sua significância estatística e clínica) e as principais considerações/conclusões. Como o 'Resumo' é  a única parte do artigo indexada em várias bases de dados eletrônicos e a única parte que muitos leitores acessam, os autores precisam assegurar que eles refletem com precisão o conteúdo do artigo.
  • Descritores – são as palavras-chave que permitem a recuperação do artigo nas bases de dados, deste modo devem obedecer a padronização internacional. Selecione três descritores na base: Decs ou Mesh.
  • Abstract - Resumo em língua estrangeira.
  • Introdução – a introdução deve esclarecer ao leitor o contexto do estudo, a natureza do problema e o seu significado, declarar o propósito específico ou o objetivo da pesquisa, bem como a hipótese testada. No capítulo 'Introdução' cite apenas referências pertinentes sem incluir dados ou conclusões do trabalho que está sendo relatado.
  • Revisão da literatura - deve apresentar o estado atual do problema investigado por meio da citação de artigos, preferencialmente publicados nos últimos cinco (05) anos, descrevendo os métodos, resultados e conclusões destes.
  • Materiais e Métodos – os seguintes itens devem ser considerados:

 a) Delineamento - justificar o motivo de eleição de determinado desenho de pesquisa (exploratória, descritiva ou explicativa);

 b) Amostra – deve descrever de modo claro a técnica de seleção dos sujeitos (incluindo critérios de elegibilidade e de exclusão) e da população de origem. Se o estudo foi feito, envolvendo uma amostra de conveniência (selecionada da clínica de uma universidade, por exemplo ou incluindo apenas um sexo), os autores devem justificar o motivo, exceto em casos óbvios (por exemplo, câncer de próstata);

 c) Materiais e Métodos - especificar os métodos, equipamentos (indicar o nome do fabricante e endereço entre parênteses) e procedimentos em detalhes suficientes para permitir que outros pesquisadores possam reproduzir o experimento. Fornecer referências e breves descrições para as técnicas publicadas, mas não bem conhecidas; descrever as técnicas novas ou substancialmente modificadas, justificar as razões para usá-las e avaliar as limitações. Identificar com precisão todas as drogas e produtos químicos, incluindo o nome genérico, dose e via de administração. Identificar nomes científicos adequados e nomes de genes. Materiais extras ou complementares e detalhes técnicos podem ser colocados em um apêndice onde eles serão acessíveis, mas não vai interromper o fluxo do texto, ou eles podem ser publicadas apenas na versão eletrônica da revista.

 d) Técnicas - os autores devem definir como mediram os fenômenos, inclusive os subjetivos como beleza, raça ou etnia. Devem descrever os instrumentos utilizados para a coleta de dados, os materiais e as técnicas de manipulação de materiais;

 e) Estatística – as técnicas estatísticas devem ser descritas com detalhes suficientes para permitir que um leitor informado, com acesso aos dados originais, possa  avaliar sua adequação para o estudo bem como verificar os resultados relatados.  Sempre que possível, os dados levantados devem ser quantificados e o nível de significância estatística ou incerteza (intervalo de confiança) apresentado. Recomenda-se evitar depender exclusivamente de testes de hipóteses estatísticas, como os valores de p (não conseguem transmitir informações importantes sobre o tamanho do efeito e precisão das estimativas). Especificar o pacote de software estatístico e as versões utilizadas.

  • Resultados – devem ser apresentados em sequência lógica utilizando texto, tabelas e figuras. As descobertas principais ou mais importantes devem ser apresentadas primeiro. Não repetir todos os dados das tabelas ou figuras no texto.  Fornecer dados sobre todos os desfechos primários e secundários identificados na secção Métodos. Os resultados numéricos não devem ser apresentados apenas como relativos (percentuais), mas também como os números absolutos dos quais os derivados foram calculados e especificar a significância estatística que lhes são inerentes, se houver. Restringir tabelas e ilustrações àquelas necessárias para explicar o argumento do artigo e para avaliar dados de apoio. Não duplicar os dados em gráficos e tabelas. Evite usos não técnicos dos termos estatísticos (“aleatório " que implica um método de randomização, "normal ", " significativo", " correlações " e " amostra ").
  • Discussão – deve enfatizar os aspectos novos e importantes do estudo e as conclusões que se seguem a partir deles no contexto da totalidade da melhor evidência disponível. Importante não repetir em detalhes os dados ou outras informações mencionadas em partes anteriores do manuscrito (como aqueles da seção de Introdução ou Resultados). Nos estudos experimentais é recomendável iniciar a discussão resumindo brevemente as principais conclusões, em seguida, explorar os possíveis mecanismos ou explicações para estes achados, comparar e contrastar os resultados com outros estudos relevantes, declarar as limitações do estudo e explorar as implicações dos resultados para pesquisas futuras e para a prática clínica.
  • Conclusão - nesta seção procurar relacionar as conclusões com os objetivos do estudo, evitando afirmações que não sejam suportadas pelos dados (em particular, a distinção entre significado clínico e estatístico). Evitar fazer afirmações sobre benefícios econômicos e custos, a menos que o manuscrito inclua dados e análises econômicas apropriadas.
  • Referências Bibliográficas - entre 15 e 30, devem indicar as fontes originais de pesquisa sempre que possível. Recomenda-se evitar o uso de resumos de conferências, artigos aceitos mas não publicados devem ser designadas como "no prelo", argumento de autoridade também não devem fazer parte das referências. As referências devem ser numeradas consecutivamente na ordem em que são mencionadas pela primeira vez no texto. Os títulos de periódicos devem ser abreviados de acordo com a ncbi  (http://www.ncbi.nlm.nih.gov/PubMed)

 Exemplo de referência bibliográfica (todos os autores devem ser citados, independente do número):

 Silva,  A. A.. Crescimento e Desenvolvimento Craniofacial. RPCBE. 2013; 31(2): 23-9.

Citações no Texto 

Citação no texto é a menção de uma informação obtida em outra fonte, pode ser:

a) Citação direta - é a transcrição literal de outro texto. Utilizada para citar leis, decretos, regulamentos, fórmulas científicas ou matemáticas, palavras ou trechos de outro autor. A extensão de uma citação determina sua localização no texto. Até três linhas, deve ser incorporada ao parágrafo entre aspas duplas, conforme exemplo:

De acordo com Silva (2010, p.50) 12 "O primeiro requisito de qualidade dos tratamentos ortodônticos é a estabilidade".

Transcrição com mais de três linhas deve figurar abaixo do texto, em bloco recuado das margens laterais, sem necessidade de aspas e em caracteres menores do que os adotados no texto, conforme exemplo:

De acordo com Silva (2010, p.50) 12:

                Existe um equívoco dos ortodontistas em utilizar classificações como recursos de diagnóstico, pois estas são adequadas para organizar o conhecimento e são sujeitas aos                       critérios discricionários do atutor; porém o diagnóstico deve ser baseado em sinais e sintomas, conforme reza a base da propedêutica hipocrática. Ademais, o fato  das                         classificações ordenarem o conhecimento não capacita tais ferramentas à identificação dos fatores etiológicos das maloclusões. Este engano está entre as principais causas                     das recidivas dos tratamentos ortodônticos. 

b) Citação indireta - é a expressão da ideia contida na fonte citada com palavras próprias do autor do trabalho (paráfrase), dispensando o uso de aspas. É a técnica de citação mais utilizada para transcição de artigos.

c) Citação de citação - é a menção de um documento ao qual não se teve acesso direto.  Deve ser feita apenas quando o documento original não pôde realmente ser consultado (documentos muito antigos,insuficiência de dados bibliográficos, etc). No texto deve ser indicado o sobrenome do(s)autor(es) do trabalho não consultado seguido da expressão latina apud (citado por) e do(s) sobrenome(s) do(s) autor(es) da referência fonte e do sistema de chamada numerico.

Silva (2010, p.50) 56 apud Elliot 16, chegou as mesmas conclusões dos estudos...

Sobre o Sistema de Chamada

O sistema de chamada orienta as citações no corpo do texto e determina a ordenação das referências bibliográficas ao final do trabalho. O sistema recomendado pelo Formato Vancouver é o Sistema Numérico. Neste, o número índice é posicionado em sobrescrito e os autores são numerados por ordem de apresentação no texto (independente da ordem alfabética). O mesmo ordenamento é mantido nas Referências Bibliográficas (ao final do manuscrito). Até três autores devem ser citados no texto, ultrapassando este número emprega-se a abreviatura “et al”. Exemplo de estilos:

De acordo com o trabalho de Silva 12  a inclusão da prática clínica baseada em evidências na odontologia foi recente... 

Silva e Malacarne 12  em orientaram sobre a adequação legal da  documentação clínica...

Silva, Malacarne, Bisinelli et al 12 consideram a propedêutica como o requisito para a boa prática de diagnóstico... 

Recomendações Éticas e Legais

  • Uso de imagem - o ‘Termo de Uso de Imagem’ é requerido para os casos de identificação dos sujeitos da pesquisa.
  • Reprodução - a  reprodução de qualquer material total ou parcialmente publicado (textos, gráficos, tabelas, figuras) deve respeitar a legislação de direitos autorais e ser acompanhada da citação da fonte.
  • Produtos - o nome de produtos comerciais e equipamentos deve ser mencionado na primeira aparição no texto, nas demais menções, inclusive no título, deve ser utilizado o nome ou referência genérica respectivamente.
  • Ensaios clínicos - ensaios clínicos envolvendo intervenções exprimentais devem ser aprovados pela ‘Comissão de Ética em Pesquisa’ com número de protocolo de aprovação emitido por um Comitê Institucional de Ética identificado (Consort Statement) (fornecer número de identificação).
  • Estudos em animais - devem seguir as nrmas do COBEA  e incluir aprovação emitida por um Comitê Institucional de Ética (fornecer número de identificação).
  • Genética - pesquisas que envolvem registro gênico devem ter novas sequências genéticas registradas em  bancos de dados públicos como listados (fornecer número de identificação):

a) GenBank: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/Genbank/submit

b) EMBL: http://www.ebi.ac.uk/embl/Submission/index.html

c) DDBJ: http://www.ddbj.nig.ac.jp/

  • Microarray - estudos sobre o nível de expressão genética devem incluir a informação minimas sobre experimentos de microarranjo (diretrizes MIAME)  http://www.mged.org/index.html).
  • Agradecimentos - contribuições de outros profissionais  devem ser agraciadas publicamente com permissão, pois infere-se a concordância destes sobre os resultados do estudo.

 , figuras (gráficos, ilustrações) inseridas no corpo do texto, salvo em  formato DOC, DOCX .

Conheça as opções para publicação de revistas e livros da sua instituição. 

Para outras informações, Fale Conosco.